Seu navegador não suporta javascript!

Programa Avançar Parcerias

Rodovia BR-116/RJ/SP (Dutra) – Rio de Janeiro a São Paulo

Rodovia BR-116/RJ/SP (Dutra) – Rio de Janeiro a São Paulo 

Home > Projetos > Rodovia BR-116/RJ/SP (Dutra) – Rio de Janeiro a São Paulo

Andamento do projeto

Estudos

Consulta Pública

Acórdão TCU

Edital

Leilão

Contrato

3º trimestre de 2018
4º trimestre de 2018
  • Concluído
  • Em andamento
  • A realizar

Newsletter

Cadastre seu e-mail para receber informações dos projetos de (Rodovias)

  • CLASSIFICAÇÃO POR REUNIÃO

    2ª Reunião

  • SETOR

    Rodovias

  • TIPO DE ATIVO

    Ativo Existente

  • MODELO

    Concessão Comum

  • CAPACIDADE

    402 km

  • INVESTIMENTO

    R$ 15,5 bilhões (estimativa)

  • ÓRGÃOS ENVOLVIDOS

    ANTT, MTPA, EPL

Informações do projeto

O projeto do trecho da BR-116/RJ/SP (Nova Dutra) foi qualificado no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) durante a 2ª Reunião do Conselho do PPI, realizada no dia 07 de março de 2017. A qualificação no Programa de concessões do Governo Federal sinaliza o início dos estudos para a nova concessão, que vão demandar tempo e diálogo com a sociedade pela relevância socioeconômica para a região Sudeste.

O empreendimento tem 402 km de extensão e faz a ligação entre as duas maiores regiões metropolitanas do País, São Paulo e Rio de Janeiro. A Rodovia também é a principal ligação entre o Nordeste e o Sul do País, cortando 34 cidades.  Atualmente, o empreendimento é administrado pela Concessionária Rodovia Presidente Dutra S/A (Nova Dutra) e o contrato vigente vence em 2021.

O volume médio de veículos é de aproximadamente 42 mil por dia, com uma média diária de 666 ocorrências, entre socorro médico e mecânico. É a maior concessão rodoviária do País em termos de volume diário de tráfego.

Esta Rodovia, assim como a BR-116/RJ e BR-040/MG/RJ, é estratégica pela extensão e pelo volume de tráfego. Nesse sentido, devem ser estudadas conjuntamente de maneira a se definir o modelo que gere maior valor aos ativos.

Até dezembro de 2016, a concessionária investiu cerca de R$ 5,7 bilhões em obras e equipamentos e R$ 8,6 bilhões em operação. Além disso, foram recolhidos R$ 3,4 bilhões de impostos durante o período da concessão (março de 1996 a dezembro de 2016).

Os investimentos decorrentes do novo contrato resultarão no aperfeiçoamento do serviço ofertado assegurando maior fluidez e confiabilidade; em melhorias na segurança do transporte de carga e de passageiros; na redução de ocorrências de danos e acidentes; e, consequentemente, na otimização do tempo de viagem e custo logístico.

Além dos benefícios econômicos e sociais para o País, como o desenvolvimento nacional, vale ressaltar que o projeto trará oportunidades de emprego para a região – além de aumentar o volume de cargas e a quantidade de passageiros.
 

  • Situação atual do projeto

    Atualmente, o projeto encontra-se na fase de elaboração dos estudos.

     

Ver outros projetos

  • Terminais Portuários de Granéis Líquidos no Porto de Belém/PA -(BEL 02A, BEL 02B, BEL 04, BEL 08 e BEL 09)

    Veja Projeto
  • Terminal de Fertilizantes no Porto de Itaqui/MA - COPI

    Veja Projeto